Pic the life

Home - Follow me



Another place to do the things that I like. Another little part of me


Avenged Plush

Victor. Gosto muito de escrever e adoro fotografias. E não sou bom falando de mim. Mas posso ser bem legal se você quiser conversar

Lost Symphony

Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012


Not forgotten

Onigiri Quase Prédio, Cookie, Tumblr, Photos


To Think About

IBAMA, Planeta Sustentável


System Down





Best visualization: Mozilla Firefox

Bagunçado [Parte 2]
sábado, 24 de março de 2012 @ by Victor @ - 22:36



  Eu pensava que ia ser divertido. E até foi, no começo. Imaginei vários jeitos de como essa noite terminaria. Talvez eu tivesse que parar uma briga feia entre Ana e Rodrigo, ou talvez tivesse que convencer a Renata a ficar e me ajudar a tomar conta deles. Mas não imaginei, de jeito nenhum, que terminaria aquela noite sentado na calçada em frente a casa dos meus tios, com a cabeça no ombro da minha melhor amiga. E definitivamente nem cogitei chorar essa noite. Não até estar trancado no meu quarto, pelo menos.
  Ela mexia no meu cabelo e meus olhos estavam fechados, eu respira devagar. Podia dormir ali mesmo, se não fosse pelo frio que começava a me incomodar. Um frio bem mais psicológico, é verdade. Mas esse é o pior. Não há casaco ou cobertor que cure o frio provocado pela falta, não de calor, mas de alguém.
  - Preciso cortar o seu cabelo de novo - ela disse, pegando uma mecha entre os dedos - Você sabe que eu não tenho tempo com a faculdade, devia cortar em algum lugar...
  - Você sabe que só você pode tocar no meu cabelo - falei, resmungando.
  - Pois você terá que conviver com essa bagunça na sua cabeça até eu arranjar tempo.
  - Minha cabeça já está bem bagunçada, o cabelo é só um detalhe.
  Eu fechei os olhos novamente, no silêncio que seguiu.
  -Seu idiota - Renata me deu um soco nem tão leve assim na cabeça, mas eu apenas resmunguei qualquer coisa como "Eu sei". Ouvia-a suspirar e sua mão pousou novamente de leve sobre meu cabelo - O que eu faço com você, hein?
  - Pode tentar me dar umas garrafas de vodka, seria um bom começo.
  Apesar de ter falado sério, aquilo só resultou em outra pancada na minha cabeça.
  - Você ainda pensa nele, não é?
  - Não - eu respondi, me ajeitando em seu colo - Ele não me causa mais nada. Acontece que a minha vida estava bastante bagunçada antes dele, ai ele chega, bagunça mais um pouquinho e vai embora. Só estou tentando ajeitar tudo.
  - E porque você está chorando então?
  Sem perceber, tinha deixado as lágrimas voltarem. Sequei-as, mas outras tomaram seu lugar e logo desisti.
  - É que as vezes você se pergunta se vai ser forte o suficiente pra arrumar tudo depois da tempestade - falei.
  Renata se curvou, seus lábios tocaram carinhosamente a minha testa.
  - Você consegue. Você é uma das pessoas mais fortes que eu já conheci. E você tem a mim para te ajudar.
  Um sorriso bobo surgiu em meu rosto e se refletiu no dela.
  - Não sei o que eu faria sem você.
  - Ficaria chorando pelos cantos - ela riu. Logo em seguida, ouvimos um barulho de algo se quebrando dentro da casa.
  - O que foi isso? - perguntei, preocupado, me levantando.
  - Não sei - ela falou, sorrindo e pegando minha mão - Vamos descobrir. Vai ser divertido.

Marcadores:

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial